Artigos


A graça da sabedoria


Segunda-feira, 05 de março de 2018


Imagem | A graça da sabedoria

De modo geral e automaticamente, diante de uma decisão a ser tomada, somos impulsionados a nos perguntar em um breve momento de reflexão: O que é útil fazer? Ou, para quê e para quem algo é útil? O senso comum, conhecimento baseado pela compreensão e experiências acumuladas por ideias e sentimentos formados em grupos sociais, considera útil tudo aquilo que dá prestigio, poder, fama e riqueza. Nele julga-se útil os resultados visíveis das coisas e das ações como a famosa expressão: “levar vantagem em tudo”.
 
Desse ponto de vista, a busca pelo conhecimento e pela sabedoria tornou-se uma característica esquecida nos dias atuais, ao passo de que é mais fácil ser levado pelo senso comum e pelas facilidades que ele oferece através de sua zona de conforto, ao qual somos direcionados a vários caminhos e opiniões, sem comprometimento, a ponto de a longo ou a curto prazo, reconhecermos que fomos perdidos e inúteis, pois não construímos nada ao longo de vários anos que se passaram, fruto do acaso e da indiferença, como a famosa música: “Deixa a vida me levar”.
 
Por outro lado, a busca pela sabedoria se manifesta através de um processo exigente que nos leva a transformação e a nossa realização, através da renúncia e do preparo, ao qual nos traz a consciência e o discernimento de nossas atitudes, pois somos seres dotados de racionalidade e a plena liberdade ao qual ela deve nos encaminhar para a felicidade definida como um estado de “satisfação completa”. “Quando o Senhor apareceu em sonho ao Rei Salomão e disse a ele que lhe pedisse o que quisesse, após um momento de exaltação ao Senhor, Salomão pede a graça da sabedoria, pois ela lhe daria condições para julgar e discernir o que era bem e mal. (cf. 1 Reis 3, 4-9)”.
 
 Diante desta situação, ao qual Salomão poderia ter escolhido dinheiro, fama, vida fácil, e opta pela sabedoria, poderíamos pensar: Qual a utilidade da sabedoria? E em um momento de reflexão chegaríamos à conclusão de que se abandonar a ingenuidade e os preconceitos do senso comum for útil, se buscar compreender o próximo for útil, se conhecer o sentido das criações humanas nas ciências, na política, na busca pelos mandamentos de Deus for útil, então podemos dizer que a busca pela sabedoria é o mais útil de todos os saberes de que os seres humanos são capazes.
 
O sábio é aquele que não se deixa perturbar, age permanecendo firme sendo auto-suficiente e capaz de suportar e vencer os males mais diversos, se superando e encontrando novos caminhos, pois não possui apego. Como Salomão, peçamos a Deus: Dai-me a graça da sabedoria!
 

Comentários



Sobre o Autor


Seminarista Daniel Canevarollo

Daniel cursa o 3º ano de Fiolosfia em São José do Rio Preto. E-mail: danielcanevarollo@gmail.com

Artigos do Autor