Artigos


Circular de abril de 2019 de Dom Milton


Terça-feira, 02 de abril de 2019


Imagem | Circular de abril de 2019 de Dom Milton

Barretos, 02 de abril de 2019.
 
Circular 03/2019
 
Prezados irmãos e irmãs,
 
“É uma Páscoa para o Senhor” (Ex 12,11)
 
A celebração da Páscoa para os judeus é a recordação viva da sua libertação da escravidão do Egito. A cada ano, no seio de toda família judaica, todos se assentavam à mesa na noite do dia 14 de Nisan para comerem a Páscoa do Senhor fazendo memória dos prodígios que Deus realizara para tirar o seu povo do jugo da escravidão e conduzi-lo à Terra Prometida (cf. Ex 12, 1-8. 11-14).
 
“E quando amanhã o teu filho te perguntar: ‘Que significa isso?’ responder-lhe-ás: Com mão poderosa o Senhor nos fez sair do Egito, da casa da escravidão. Como o faraó se obstinasse em não nos deixar ir, o Senhor matou todo primogênito na terra do Egito, desde os primogênitos dos homens até os primogênitos dos animais” (Ex 13, 14-15).
           
“De fato, nosso cordeiro pascal, Cristo, foi imolado” (1Cor 5,7)
           
Nós, cristãos, celebramos não mais a libertação operada pelo Senhor em favor de Israel, mas a vitória do Ressuscitado sobre o pecado e a morte que garante a vida eterna para todos os que creem em seu Nome.
           
A morte de Cristo na cruz e a sua ressurreição são o mais perfeito cumprimento da Páscoa acontecida no Antigo Testamento; é, precisamente por isso que Jesus entra na sua Paixão com aquela ceia que os seus discípulos deverão repetir “em sua memória”. Como nos dizem os evangelistas, tratar-se de uma “ceia de Páscoa” (Mc 14,12-16; Lc 22,7-15).
           
Como para os israelitas, agora para os cristãos, não se trata de relembrar um fato do passado, mas revivê-lo no interior da liturgia. Nós nos tornamos coparticipantes do mistério pascal que iniciou com a ceia de despedida e se consumou com a ressurreição de Jesus. São Paulo explica o fato assim: “Todas as vezes que comerdes deste pão e beberdes deste cálice anunciais a morte do Senhor, até que ele venha” (1Cor 11,26).
           
Na liturgia do Tríduo Pascal, com toda a Igreja, revivemos os momentos derradeiros de Jesus que garantem para nós a vida eterna. Daí a importância de que nos preparemos para a celebração dos mistérios da morte e ressurreição do Senhor certos de que “se morremos com Cristo, também com ele viveremos” (2Tim 2,11).
 
“Se ressuscitastes com Cristo” (Col 3,3)
           
Se até agora consideramos a Páscoa do Senhor no seu aspecto litúrgico, agora cabe-nos refletir sobre a sua vivência. Para nós que celebramos a Páscoa do Senhor revivendo a Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus, cabem as palavras de São Paulo proclamadas na Epístola do Domingo da Páscoa: “Se ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas do alto, onde Cristo está sentado à direita de Deus” (Col 3,3).
           
Através da liturgia nós nos tornamos contemporâneos da Ceia do Senhor, do seu caminho para o Calvário, da sua morte na cruz e da sua ressurreição dentre os mortos. Acompanhamo-lo para aprender com Ele a passar da morte para a vida.
           
E quando passamos da morte para a vida? É São João, na sua carta, que encontramos a resposta: “Sabemos que passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos. Quem não ama, permanece na morte” (1Jo 3,14).
           
Ao celebrarmos a Páscoa do Senhor, somos levados por Ele a compreender o significado do mandamento que Ele deixou como testamento aos que creem: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei. Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros” (Jo 13,34-35).
           
Celebrar a Páscoa é, portanto, percorrer o mesmo caminho que Jesus percorreu ao dar a sua vida como resgate de muitos. É tornar visível, pela nossa vida, aquele amor que levou-O  a dizer: “Não há maior amor prova de amor do que dar a vida pelos amigos” (Jo 15,13).
           
Na certeza de que todos haveremos de celebrar a Páscoa com os mesmos sentimentos de Cristo Jesus (Flp 2,5) quero desejar a todos uma abençoada Festa da Páscoa. Que o nosso “Aleluia” associado ao de toda Igreja seja a exclamação de quem extasiado compreende a força do amor capaz de vencer o pecado e a morte, e garantir a vida para sempre.
 
FELIZ PÁSCOA! ABENÇOADA PÁSCOA DO SENHOR!
 
Dom Milton Kenan Júnior
Bispo Diocesano de Barretos
 
 
CALENDÁRIO EPISCOPAL – ABRIL 2019
 
02 – Atendimento Cúria Diocesana
05 a 07 – VISITA PASTORAL A PARÓQUIA SANTUÁRIO NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO, EM BARRETOS
09 – Reunião do Secretariado de Pastoral, na Cúria Diocesana, às 9h
12 – Atendimento Cúria Diocesana
13 - Vigília da Juventude, na Igreja S. Antônio de Pádua, em Barretos, às 21h
14 – MISSA DE RAMOS E DA PAIXÃO DO SENHOR - Santa Missa com Benção e Procissão de Ramos e na Catedral Diocesana de Barretos, às 9h30
17 – Tarde de Espiritualidade com o Clero da Diocese, no Salão paroquial da Catedral, às 16h
         SANTA MISSA DO CRISMA – Catedral Divino Espírito Santo, às 19h30
18 – MISSA DA CEIA DO SENHOR COM LAVA PÉS – Catedral Divino Espírito Santo, às 19h30
19 – Via Sacra, na Praça Francisco Barreto, às 9h
       CELEBRAÇÃO DA PAIXÃO E MORTE DO SENHOR – Catedral Divino Espírito Santo, às 15h
       Procissão do Enterro do Senhor, saída da Igreja S. Benedito até a Catedral, às 19h
20 – SOLENE VIGÍLIA PASCAL – Catedral Divino Espírito Santo, às 20h
21 – PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO DO SENHOR – Santa Missa de Páscoa, na Catedral Divino Espírito Santo, às 9h30
23 – Reunião com a Comissão da Cidade de Maria, na Casa de Encontros D. Antônio M. Mucciolo, às 20h
24 – Reunião do Conselho Diocesano de Assuntos Econômicos, na Cúria Diocesana, às 14h30
26 – Atendimento na Cúria Diocesana, às 9h30
28 – Santa Missa – Catedral Diocesana Divino Espírito Santo – às 9h30
       Santa Missa – Encontro Dioc. novos Ministros Ext. Eucaristia, na Cúria Diocesana, às 15h
 

Comentários



Sobre o Autor


Dom Milton Kenan Junior

Dom Milton é o 6º bispo da Diocese de Barretos. E-mail: dommilton@diocesedebarretos.com.br

Artigos do Autor